Home > Coisologia, Filosofia > a tecnologia versus os novos velhos

a tecnologia versus os novos velhos

Alguém aí está enjoado das mudanças rápidas do mundo?

Hoje estou um pouco triste, com saudades. Estou me sentindo um velho cansado e de saco cheio. Tenho vontade de mandar os barulhentos calarem a boca para eu poder dormir em paz. Acontece que não sei o quanto sei lidar com as mudanças rápidas do mundo. Assim como muitos idosos atuais não se interessam por computador, eu tenho pouco interesse em conhecer todas as novidades desse mutante mundo.

CONSEQÜÊNCIAS SOBRE O COMPORTAMENTO
Um mundo de mudanças muito rápidas produzem pessoas diferentes das produzidas por um mundo com transformações lentas. Óbvio! Não é possível formar uma opinão duradoura em um ambiente mutante. Não é possível contar com o próprio emprego em um mercado instável. Não é possível aprender nada profundamente com informações sendo substituídas por outras informações que são substituídas por outras informações na velocidade da luz. Não é possível manter o interesse em nada por muito tempo, pois novos produtos surgem a todo o momento…

Que tipo de pessoas surgirão desse mundo?

  • Pessoas certamente dinâmicas, mas será que com conhecimentos específicos suficientes para um trabalho aprofundado?
  • Pessoas voltadas para o próprio umbigo. Pessoas solitárias. A conexão entre todos é tão efêmera, que as pessoas só podem tentar conhecer verdadeiramente a si mesmas, se muito.
  • Pessoas inseguras. O novo mundo não está pronto para absorver tantas pessoas; em verdade, as novas tecnologias pretendem reduzir o número de empregos e não de produzi-los.
  • Pessoas minúsculas diante do tamanho das organizações.

DECIDA EM QUAIS FORMIGAS CLICAR COM SEU DEDO MINÚSCULO
É comum que se defenda o enorme acesso à informação que a internet proporciona. É realmente delicioso. Mas dá uma sensação de vazio: são tantas e tantas coisas para ver, de tantos lugares, por tantos ângulos. Chega a ser ridículo poder absorver tão pouco de um mundo tão grande.

O acesso a dados e a facilidade imensa de publicar nesse novo mundo parecem produzir, na maioria das pessoas, a sensação de grandiosidade. “Eu falo e qualquer pessoa do planeta pode me escutar”. Essa é uma verdade incompleta. O dado que uma pessoa produz está realmente acessível, mas isso não significa que ele será encontrado e acessado, ou que é interessante. Em verdade, são tantas as opções oferecidas pela rede de dados que, ao invés do gigantismo, a internet teve o efeito de mostrar o quanto as pessoas são pequenas.

VOCÊ AÍ, ESTÁ REALMENTE PREPARADO PARA JOGAR?
Ter acesso à tecnologia por meio de cheques em lojas ou de assinaturas gratuitas a publicadores de blogs e páginas pessoais não significa estar dentro do grande jogo.

Somente uma elite pode jogar: a dos sortudos apaixonados por programação e por novidades eletrônicas. Pessoas muito habilidosas na arte e na ciência, e pessoas altamente criativas, podem fazer sucesso no mundo virtual, mas ora ou outra terão de lidar com a nova tecnologia. Ou torcer para que ela seja cada vez mais fácil de ser utilizada. De certo modo, o novo mundo está na mão dos programadores profissionais e conhecedores avançados de tecnologia. Eles decidem os rumos do mercado e as possibilidades de criação.

Uma pessoa preparada hoje, do meu ponto de vista, não é aquela que sabe utilizar um programa, ou um aparelho eletrônico, mas sim aquele que sabe manipular profundamente a tecnologia. Não adianta conhecer o programa de HOJE, pois ONTEM criaram um mais avançado. Se você não encontrar tempo para se atualizar continuamente, está fora do jogo. Caro, você pode pagar alguém pelo serviço técnico.

O NOVO MERCADO E O VELHO MERCADO
O novo mercado está em consonância com o que foi dito no tópico acima. Para prosperar é preciso se adaptar à nova tecnologia. As empresas que mais crescem na atualidade são prestadoras de serviços na internet. Se tudo continuar crescendo como está, várias facetas do mercado atual podem ser extintas, ou alguém duvida, por exemplo, da possibilidade de que supermercados deixem de existir fisicamente?

Não importa sua profissão. Para ganhar a vida, é preciso criar um mercado chamativo do ponto de vista virtual. Está esperando o quê?

OS MÚSCULOS DEVEM SER MOVIDOS
Fui criança de correr na rua, bringar de esconder, jogar futebol com gols de pedra, andar de bicileta em bando. O crescimento desenfreado das cidades, a quantidade enorme de carros e a violência exponencial estão limitando a brincadeira física para dentro dos condomínos. E nem entre portas as brincadeiras físicas fazem tanto sucesso quanto os novos jogos e a internet. Aumentando o acesso à internet, haverá também um aumento da obesidade. Eu não acredito em nenhum incentivo ao esporte funcionando, ao menos não nos moldes atuais.

Toda nossa cultura está se voltando ao conforto doméstico. Músculos são cada vez menos necessários. O problema é que um corpo frágil não produz pessoas felizes. O movimento é imprescindível para a saúde. Apesar de a sociedade ser rápida, nossa estrutura biológica é a mesma há 100000 anos. Ainda temos a necessidade de fortalecemos o corpo. Movimentar-se produz substâncias fundamentais para o bom andamento de funções orgânicas, incluindo aquelas ditas “intelectuais”.

OS NOVOS VELHOS
Tudo isso para quando?
Já está acontecendo. A pergunta é quanto tempo vai demorar para que uma nova tecnologia produza uma mudança radicalmente rápida. O mundo não está preparado para isso. Ou está e não consigo enxergar?

Tenho um pouco de medo. Dedico algum tempo do meu dia a pensar em como posso me adaptar, levar minha profissão para o novo mundo e, até, que linguagem de programação aprender para me dar bem. Este blog existe como tentativa de não ser passado para trás.

Faço isso com saudade de andar de bicicleta, de ir até a praça para o lazer.

E você, é novo velho ou um novo novo?

Categories: Coisologia, Filosofia
  1. August 8, 2007 at 3:26 pm

    Robson,
    Obrogado pela visita broder, e pelas palavras generosas sobre meu texto.
    Pô, gostei do teu blog, curti a maneira como escreve e os assuntos que aborda, conteúdo com leveza. Parabéns.
    Broder, eu trabalhei por quase 20 anos no mercado de alta tecnologia, cara, eu tava quase ficando louco, fiquei 3 anos fazendo analise (não de sistemas, mas com psicólogo, rss). Caí fora e hoje não tenho tanto interesse pelas novidades, mas procuro ficar atento pra não esquecer que elas estão aí.
    Abração queridão

  2. faggiani
    August 8, 2007 at 3:37 pm

    Eu posso imaginar a pressão que você sentiu, cara.
    Nem estou no ramo e já fico preocupado com as novidades. Trabalhar nisso deve ser pesado.

    Obrigado pelos elogios. É sempre bom quando vem de um bom blogueiro.
    Abraço.

  3. August 9, 2007 at 7:23 pm

    Eu sou uma nova velha. Estou sinceramente cansada disso tudo, e já faz tempo.

    Parem o mundo, por favor, que eu quero descer! rs

    beijos

  4. August 9, 2007 at 7:25 pm

    Ah, e claro: que ótimo texto! Genial! Onde você está bebendo tanta “inspiração”?

    Conte-me que estou indo lá beber um pouco também… rs

    beijos

  5. faggiani
    August 9, 2007 at 7:53 pm

    Valeu, Maga.
    Essa coisa da tecnologia está me pegando faz tempo.
    Decidi escrever sobre isso depois que falei com um amigo da área da programação que disse que também não está conseguindo correr atrás de tudo.
    A mudança já está rápida demais!
    Beijos!

  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: