Home > Crítica, Diarices > sou fã – parte iv: melhores refeições

sou fã – parte iv: melhores refeições

Essa parte do “sou fã” vai ser diferente. Vou fazer uma lista do tipo TOP com minhas 5 refeições favoritas, ou seja, não necessariamente meus pratos preferidos. A lista remonta almoços, jantares e lanches que foram inesquecíveis pelo sabor, pelo ambiente, pela companhia ou por tudo isso de uma vez. E, sendo que os locais onde comi essas refeições foram tão bons para mim, vou fazer propaganda gratuita.

Claro que eu adoraria que os responsáveis pelos estabelecimentos lessem este post e me convidassem para uma jantar gratuito.

Estou viciado em experimentar novos sabores. É muito mais gostoso do que ver novas paisagens ou ouvir novas músicas. A língua manda.

.

5 – O Capuccino desconhecido

capuccino-1.jpgNão consigo me lembrar onde tomei o melhor Capuccino da minha vida. Pode ter sido em Curitiba, Porto Alegre, Florianópolis ou São Paulo.

O local eu não lembro, mas lembro do sabor, que é como, desde então, acredito que capuccinos devem ter: cremoso, com um leve gosto de chocolate, e um pouco amargo, do café.

Venho procurando um Capuccino igual há anos, mas nunca mais encontrei. Realmente gostaria de encontrar aquele lugar novamente…

Só de pensar dá água na boca.

.

4 – Pizza de Portuguesa no Paparella

pizza.jpg Por incrível que pareça, a pizza de portuguesa mais gostosa que eu comi foi em Florianópolis, e não em São Paulo. Não se enganem. Proporcionalmente, comi muito mais pizzas gostosas em sampa do que em Floripa, mas nada foi igual àquela pizza de portuguesa.

Foi em uma noite com a minha família e a família dos amigos que moravam comigo. O ambiente era perfeito, tendo de crianças a casais mais velhos, e alguns jovens.

Uma noite de risos e desse sabor que, como o do Capuccino, venho buscando em outras pizzas.

A imagem dessa pizza não faz frente à da pizza da Paparella, mas infelizmente não consegui outra melhor.

.

3 – Gyoza na feirinha de domingo da Liberdade

gyoza.jpgEu posso dizer, com certeza, que o sabor do Gyoza da feirinha da Liberdade mudou a minha vida. Foi a primeira mordida naquela massa deliciosa, recheada com porco e frango, tudo molhado ao shoyo com ervas, que me impulsionou na busca por novos sabores.

O começo de tudo foi o gyoza. Foi um gozo incomensurável. Eu sou fresco para comer, mas do tipo que só come coisas simples. Foi no sentido de me fazer querer a novidade que o gyoza se destaca.

A feirinha da Liberdade acontece todos os domingos, no bairro da Liberdade, em São Paulo. É um pouco cheio, você come de pé, mas vale a pena. Não há gyoza igual.

Além deste prato, há ainda várias opções deliciosas na feirinha. Eu recomendo fortemente.

.

2 – Árabe no Almanara

arabe.jpgO dia em que comi pão sírio, homus e kafta foi especial. Era 16 de abril de 2007, o dia em que pedi minha namorada em casamento e ela disse “sim”. Parte da comemoração foi o jantar no Almanara. O restaurante fica em Alphaville. O ambiente é silencioso e escurinho, perfeito para ficar namorando. E a comida é deliciosa.

Eu nunca imaginei que, em vida, comeria pasta de grão de bico e acharia gostoso. Mas estão aí os fatos para mostrarem a verdade. Comi também um kibe com amêndoas, o melhor já provado. Para finalizar, comi kafta, que é carne moída temperada à moda libanesa; junto vinha um molhinho muito gostoso, parecido com o nosso vinagrete, mas com um tempero desconhecido por mim.

O dia, a companhia, a comida, o clima, fazem do jantar no Almanara o vice-campeão da minha lista.

.

1 – Comida tailandesa no Mestiço

tailandesa-2.jpg Nenhuma comida chegou aos pés da que experimentei no Mestiço. Foi no dia 20 de julho de 2007, para comemorar meu aniversário. Fomos eu a Bruna, minha namorada.

O ambiente já nos ganhou. O lugar era claro, sem ser invasivo. Serviço perfeito. Todos muito educados, rápidos e bem treinados. Explicaram passo a passo o que era cada prato e sempre estavam disponíveis. A organização é realmente impecável.

Tivemos que esperar um pouco pela liberação de uma mesa, mas até a espera foi agradável, com cerveja e conversa. O Mestiço é um lugar realmente agradável.

O jantar em si, bah, foi o mais delicioso da minha vida. Começamos com uma entrada, o Krathong-thong, uma cestinha com frango, milho e um tempero que preciso aprender a fazer de qualquer jeito. A casa é especializada nessa entrada. Vale muito a pena, realmente. Serviu como demonstração do que estava por vir.tailandesa-1.jpg

Em seguida, fomos ao prato principal propriamente dito, o bonitão ali de cima, Paad-Pak, um frango coberto com pasta de gergelin que acompanhou vegetais temperados com outro misterioso tempero inesquecível. Pedimos com shitaki, que é uma delícia. Junto aos vegetais, mais cogumelos deliciosos.

Para acompanhar, pedimos arroz indiano, que é um arroz amarelo com pedacinhos de frango e outras delícias.

Foi perfeito. Nota 10 para o serviço, para o ambiente, para a companhia e para o sabor, que pretendo repetir ou reproduzir muito em breve.

.

Infelizmente, não conheço de cozinha o suficiente para saber o quanto pratos estrangeiros são traduzidos para o Brasil. De todo modo, garanto que as refeições acima precisam ser experimentadas.

Categories: Crítica, Diarices
  1. July 30, 2007 at 4:04 pm

    Olá Robson!!!

    Esse post está, por assim dizer, de dar água na boca!

    Eu também tenho tentado experimentar sabores novos sempre que possível, e é uma verdadeira viagem!

    Pior que fiquei até sem ter o que dizer, afinal, como comentar refeições tão especificas? Só que você acertou nas descrições do contexto ao expô-las!

    beijos

    ps.: “bah”??? – estou cobrando royaltes por isso… rs

  2. faggiani
    July 30, 2007 at 6:03 pm

    Vale a pena mesmo.
    Qualquer dia quero saber suas experiências.
    Quanto mais novidades uma pessoa aprender com a outra, melhor.
    Adios.

  3. July 30, 2007 at 6:30 pm

    Há de chegar o dia em que a internet transmita (ao menos) cheiro por IP. Neste dia, por favor, re-publique este post. Ficará melhor ainda.

  4. faggiani
    July 30, 2007 at 6:46 pm

    hahaha
    Já existem alguns estudos em cima disso… Imagine que maravilha seria…
    E um tanto perigoso… Se todos os sentidos forem reprodutíveis pela máquina, quem sairia da frente dela????

    Não vejo a hora de explorar os restaurantes de Curitiba! Alguma indicação?

    abraço.

  5. Bró
    July 31, 2007 at 2:32 pm

    “Bah”, adorei muito esse post!!!!

  6. faggiani
    July 31, 2007 at 2:46 pm

    Não falei que você ia curtir, amore?!

    Beijo!

  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: