Kung Fu

Leia este texto em inglês. Obrigado a todos que têm ajudado.

Eu pratiquei Kung Fu durante 1,5 ano. Parei há 8,5 anos, em outubro de 1998. Antes de contar sobre isso, um parênteses:

A palavra “Kung Fu” refere-se aos vários estilos de arte marciais desenvolvidos na China. É difícil precisar a origem dessas artes, mas há o consenso de que sua primeira aparição aconteceu há mais de 2000 anos. Os estilos são muitos, cada um com sua história específica. Se você quer detalhes sobre a história do Kung Fu e suas modalidades, clique aqui para ler o wiki em inglês e aqui para o wiki em português. Os wikis apresentam muitas informações interessantes (e outras confusas), como a de que o nome original para se referir às artes marciais na China era “Wushu”.

Independente da modalidade, o objetivo do Kung Fu é aprimorar o corpo e a mente do praticante, dotando-o de capacidade para a auto-defesa. Alguns estilos fundiram-se a práticas religiosas em templos (os famosos Shaolin). Esta arte marcial foi imortalizada por astros do cinema: Bruce Lee, Jackie Chan, Jet Li, e até pela extinta série “Kung Fu”. Sem dúvida, o Kung Fu é o estilo de arte marcial mais conhecido nos dias de hoje.

Eu gostava muito de praticar Kung Fu. Sentia-me bem durante os treinos. Sentia-me confiante por conhecer algumas técnicas e por ver meu corpo sendo fortalecido. Há 9 anos atrás meu corpo era bastante forte, capaz de suportar muitas horas de exercícios. Durante a época em que pratiquei a arte marcial, entrei em contato com o taoísmo e dele passei para o budismo, um pensamento que valorizo muito até hoje.

É impossível para mim descrever o quanto o Kung Fu mudou a minha vida. Seja pela prática física e respiratória em si, por ter me colocado em contato com o budismo (que moldou muitos dos meus pensamentos), ou pelo ideal de manter corpo e mentes integrados, o Kung Fu me ajudou muito. Para vocês terem uma idéia do quanto o Kung Fu fez falta, até hoje eu me surpreendo realizando os movimentos que aprendi há mais de 8 anos atrás.

Por que estou falando tudo isso? Porque voltei a treinar. Na mesma academia, com o mesmo professor. Foi triste ver que minha flexibilidade e força se exauriram nesses anos todos, mas por outro lado meu condicionamento físico continua bom. Estou muito feliz por ter voltado. É como se eu tivesse feito apenas uma pequena pausa para beber água.

Aproveito para propagandear o site da Associação Tao-In.

Categories: Crítica, Diarices, Filosofia
  1. March 2, 2007 at 12:58 am

    Que legal!!! Bem vindo ao mundo dos “fisicamente ativos” novamente (não era você que havia feito um post há uns meses atrás falando que sem o futebol de domingo tinha virado sedentario? rs).

    Flexibilidade? hahhaha descobri que o meu excesso de flexibilidade é que é um problema, acredita nisso?

    Eu acho artes marciais bem interessantes, apesar de esportes que envolvem luta não estarem entre os meus preferido. Acho bacana todo o cerimonial que tem e a filosofia envolvida na pratica…

    beijos e bons treinos🙂

  2. Bró
    March 2, 2007 at 2:29 pm

    Vais virar ninja! Adorooo!
    Aliás, parabéns pela iniciativa de praticar algum esporte, ainda mais alguma arte marcial!
    Quanto à sua flexibilidade….quer ir na yoga comigo de sábado?
    Ohmmmmmmmmmmmmmmmmm……

  3. March 4, 2007 at 10:10 am

    ahuHAUhauHAUhauHAUHuah que engraçado…

    fico contente de você ter voltado a treinar Kung Fu. Eu acho muito interessante, e o meu sensei de Aikido das antigas era “faixa preta” em Kung Fu também.

    Engraçado é que logo depois do retiro zen que fui duas semanas atrás, voltei praticamente determinado a recomeçar a praticar Aikido – uma arte zen por si mesma, também. Bateu muito forte um certo “reconhecimento”, sabe – “então era disso que eles falavam…” – e me deu vontade de voltar. Mas agora, de volta para a vida cotidiana, questões maiores que mim mesmo $e levantam… e fico na dúvida se volto pro Aikido ou volto a nadar. Os dois são ótimas escolhas.

    Enquanto isso, continuo mais sedentário que nunca. Ontem me peguei surpreso um pouco ofegante subindo as escadas.

    Legal a iniciativa, Robizito… vamos fundar uma associação de psicólogos “marciais”. Psicólogos samurais – ronins. Eu, pelo menos, acho que sou ronin, hsuhAUHauhAUHuah.

  4. March 4, 2007 at 10:13 am

    E eu também me pego me lembrando dos movimentos do aikido, mesmo que façam uns três anos que parei uma prática de três anos.

    Vai ver que é como andar de bicicleta. Vou perguntar pro meu cerebelo o que ele acha disso.

  5. June 14, 2007 at 2:02 pm

    palavra “Kung Fu” refere-se aos vários estilos de arte marciais desenvolvidos na China. É difícil precisar a origem dessas artes, mas há o consenso de que sua primeira aparição aconteceu há mais de 2000 anos. Os estilos são muitos, cada um com sua história específica. Se você quer detalhes sobre a história do Kung Fu e suas modalidades, clique aqui para ler o wiki em inglês e aqui para o wiki em português. Os wikis apresentam muitas informações interessantes (e outras confusas), como a de que o nome original para se referir às artes marciais na China era “Wushu”.

    Independente da modalidade, o objetivo do Kung Fu é aprimorar o corpo e a mente do praticante, dotando-o de capacidade para a auto-defesa. Alguns estilos fundiram-se a práticas religiosas em templos (os famosos Shaolin). Esta arte marcial foi imortalizada por astros do cinema: Bruce Lee, Jackie Chan, Jet Li, e até pela extinta série “Kung Fu”. Sem dúvida, o Kung Fu é o estilo de arte marcial mais conhecido nos dias de hoje.

    Eu gostava muito de praticar Kung Fu. Sentia-me bem durante os treinos. Sentia-me confiante por conhecer algumas técnicas e por ver meu corpo sendo fortalecido. Há 9 anos atrás meu corpo era bastante forte, capaz de suportar muitas horas de exercícios. Durante a época em que pratiquei a arte marcial, entrei em contato com o taoísmo e dele passei para o budismo, um pensamento que valorizo muito até hoje.

    É impossível para mim descrever o quanto o Kung Fu mudou a minha vida. Seja pela prática física e respiratória em si, por ter me colocado em contato com o budismo (que moldou muitos dos meus pensamentos), ou pelo ideal de manter corpo e mentes integrados, o Kung Fu me ajudou muito. Para vocês terem uma idéia do quanto o Kung Fu fez falta, até hoje eu me surpreendo realizando os movimentos que aprendi há mais de 8 anos atrás.

    Por que estou falando tudo isso? Porque voltei a treinar. Na mesma academia, com o mesmo professor. Foi triste ver que minha flexibilidade e força se exauriram nesses anos todos, mas por outro lado meu condicionamento físico continua bom. Estou muito feliz por ter voltado. É como se eu tivesse feito apenas uma pequena pausa para beber água.

    Aproveito para propagandear o site da Associação Tao-In.

  6. June 14, 2007 at 2:03 pm

    oA História do Kung Fu

    Ninguém pode dizer exatamente quando as artes chinesas da autodefesa surgiram, mas as suas sementes remontam aos dias mais distantes do período primitivo, quando os primeiros homens povoaram a terra. Antes de inventar armas, o homem tinha de proteger-se, contra os ataques de outros homens e dos animais, com as mãos nuas.
    Essa situação entre o homem e o animal persistiu durante o mundo primitivo: mais cedo ou mais tarde uma espécie teria de afirmar seu predomínio e sua supremacia, e foi então que os chineses realmente se destacaram, e estabeleceram as bases que seriam seguidas por toda a humanidade. Depois que aprenderam a dominar-se, e a dominar tudo o que ameaçava a sua existência, e a organizar os grupos familiares, começaram a edificar as primeiras civilizações daquele período. As técnicas e o conhecimento que utilizaram acabaram por difundir-se para além de suas fronteiras e de suas costas, e ajudaram muitos outros povos e raças em territórios muito distante.
    Os chineses não só se destacaram em todos os aspectos da tecelagem e da seda, na fabricação da pólvora, na pintura, na construção de poços e sistema de irrigação, na terapia com ervas, e em todas as artes dinâmicas da saúde, inclusive o CH’ang Ming, por meio da grande sabedoria e o conhecimento transmitidos pelos “Filhos da Luz Refletida” como também foram os primeiros a colocar as artes marciais em bases Científicas. Isso aconteceu não só porque exploraram todas as formas de destreza física de manipulação, como também usaram o poder dinâmico de vitalidade natural do corpo (Sheng C’hi) e a enorme força macrocósmica do universo (Ching Sheng Li), que continuam sendo usados pelos chineses naas artes Taoístas e no Feng Shu.

  7. June 14, 2007 at 2:21 pm

    Muita gente gosta de Matrix por causa do enredo, que, de fato, é muito bom. Outras pessoas gostam dos efeitos especiais, que também são muito bons (exceto na luta do caminhão). Mas a verdade é que bom mesmo no Matrix é o kung-fu.

    Qualquer aficcionado por filmes de luta (os chineses, não os do Van Damme), pode confirmar que as seqüências de combate do Matrix Reloaded são as melhores já vistas no cinema. Yuen Woo-ping, coreógrafo das seqüências de luta, também foi responsável por outros clássicos do kung-fu no cinema, como Tai Chi, Drunken
    Master e Once Upon a Time in China

  8. June 14, 2007 at 2:28 pm

    Se o Tai Chi Chuan está mais ligado à filosofia e à prática taoísta, o Kung Fu está, da mesma forma, mais ligado ao budismo.
    E foi num dos centros de divulgação do budismo que floresceu o kung Fu historicamente mais famoso, o do templo Shaolin.

    Juntando a disciplina ascética dos monges de Shao Lin com os aspectos históricos de luta constante para a formação do estado chinês, vemos surgir uma prática marcial ímpar.

    “Vencer-se fisicamente, dominar-se mentalmente, evoluir espiritualmente”. Estas três máximas, colocadas em prática, reforçam, com o passar dos séculos, os domínios corporal, mental e espiritual de milhares de seres.

    Em 1734, quando houve a destruição do templo de Shaolin, fugiram cinco monges de hierarquia superior, que dominavam os aspectos mais profundos da técnica utilizada no templo.

    Entre esses, destaca-se o monge Chee See, que treinou arduamente o comerciante Hung Hee Kung, feroz defensor dos princípios de Shaolin e antimanchu convicto.

    O estilo Hung Gar nasce aí. Não podendo revelar a origem de suas técnicas, Hung Hee Kung chamou-a de Hung Gar (família Hung).

    Seu irmão mais novo e aluno de Kung Fu foi Lo há Shoy, este teve como discípulo Wong Tai, que teve como discípulo o famoso mestre e médico Wong Kay Yen. O filho deste era Wong Fei Wong ou, como ficou mundialmente conhecido, através de mais de 100 filmes sobre sua vida, o grande herói chinês Wong Fei Hung.

    Wong Fei Hung devotou sua vida às causas chinesas, defendendo com seus punhos seus ideais de justiça e patriotismo. Cuidava também dos fracos e dos doentes, pois havia herdado as habilidades médicas do pai.

    Wong Fei Hung sistematizou o estilo, criando inúmeras formas novas.

    Excepcionalmente, teve aproximadamente dez discípulos, fato único na história chinesa, pois ter um discípulo já é considerado muito bom. Entre eles, Lam Sei Wing que se destacou como grande mestre, escrevendo três livros. Os primeiros, até então, sobre um estilo do sul, na década de 20. Seu seguidor e discípulo fiel foi seu sobrinho Lan Shou ou Lan Jo, octogenário nos dias de hoje, mas que possui força excepcional.

  9. August 31, 2007 at 3:00 pm

    eu pratico kung fu e sou evangelico.e afirmo que nao tem nenhum contato com a religião budista ou outra .pois o kung fu sem duvida ensina o auto controle mas não é nessessario ser budista ou louvar a ele.isso era feito pelos monges nos templos os monges criaram o kung fu ,para se defender ,e para nao serem mortos.ñ se preocupem pois o kung fu é uma bela arte marcial em filosofia tambem.e nao é necessario a adoração a buda .onde já se viu…

  10. Dr. Marcos
    December 5, 2007 at 4:13 pm

    Concordo com Pedro Ivo. Eu tambem sou Evangelico e treino Kung Fu a 9 anos e afirmo que o kung fu não lhe ensina o budismo ou taoismo ou se quer lhe essita a seguir religião alguma pois é uma arte marcial e naum uma religião e posso afirma que ao treinar kung fu vc não entra em contato com Budismo e etc. pois em nove anos nunca precisei se quer falar sobre isso na academia so estou colocando meu depoimento para contestar ou depoimento la em cima feito alguem que diz que o kung Fu o colocou em contato com religiões isso é uma grossa mentira se ele entrou em contato com essas coisa foi por que quiz e naum por que a arte marcial tenha o induzido. Não se baseen nesse comentario. pois o kung fu é sem duvida um esporte maginifico que produz a seu praticante. boa forma fisica ,saude,e ensina a perssistir nas dificuldades da vida e naum a louvar abuda .Honestamente é realmente comico ler isso.Obrigado

  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: