Home > Poesia > Homeostase

Homeostase

Ei, Jorge, o que você acha desse local?
Parece muito bom, Giuliana.
Ótimo, George, então ficaremos aqui esta noite.
Sem problema, Juliana.
Eu te amo, Jorge.
E eu amo você, minha querida Giuliana.
É maravilhoso, George.
Juliana, vamos entrando. Você primeiro.
Muito obrigada, Jorge,
Meu prazer, Giuliana.

No dia seguinte…

Como foi a noite, Giuliana?
O Jorge brochou, Juliana.
Mas que pena.
E a sua, como foi?
Eu brochei com o George.
Juliana!
Eu não estava no clima, sabe?
Pobre George.
Eu não quero mais desapontá-lo, Giuliana.
Entendo…

Em um local próximo…

Tô te falando, George. A Giuliana é um furacão.
Sorte sua, Jorge. A Juliana não curte sexo, sei lá.
Ela arregou de novo, George?
Mais essa vez…
Olha, eu não sei se devo dizer: eu brocho.
Não satisfaz o furacão Giuliana!
Isso mesmo, George.
Pobre Giuliana.
Eu não quero mais desapontá-la.
Entendo…

Naquela noite…

Eu andei pensando muito, Giuliana.
Diga, George.
Juliana, talvez devêssemos…
Já sei o que você vai dizer, Jorge.
Sabe, Giuliana?
George, você quer trocar!
É isso mesmo, Juliana!
Eu topo.
Você topa?
Eu também quero.

Algumas semanas depois…

Isso não está dando certo, Juliana.
Tem razão, George.
Eu era mais feliz com Giuliana.
E eu com Jorge.
Parece que estamos caindo para um lado, Juliana.
George, precisamos daquela vida de antes.
Giuliana, podemos ter nossa vida de volta.
Eu vou falar com Jorge.
E eu falarei com Juliana.
Será perfeito novamente, George.

Categories: Poesia
  1. No comments yet.
  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: